Notícias

Postado em 22 de Março de 2018 às 14h30

Abate de bovinos sobe 3,8% em 2017, de suínos bate recorde e de frangos cai

EXPOMEAT 2019 Os abates de bovinos no Brasil somaram 30,83 milhões de cabeças no ano passado, alta de 3,8% ante 2016, o primeiro crescimento anual após três anos consecutivos de queda, segundo dados divulgados pelo...

Os abates de bovinos no Brasil somaram 30,83 milhões de cabeças no ano passado, alta de 3,8% ante 2016, o primeiro crescimento anual após três anos consecutivos de queda, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na quarta-feira (21).

Em 2016, os abates de bovinos no Brasil tinham caído 3,2%, ante 2015, refletindo a baixa disponibilidade de animais e consumo deprimido. No ano passado, houve recuperação na oferta de animais com início da retomada do consumo doméstico e elevação das exportações.

O abate de bovinos em 2017 cresceu em 16 das 27 unidades da Federação pesquisadas, com destaque para Goiás (+355,50 mil cabeças), Minas Gerais (+297,03 mil), Mato Grosso (+227,15 mil), Mato Grosso do Sul (+144,61 mil), Paraná (+85,65 mil) e Rondônia (+68,36 mil).

As principais reduções nos abates foram verificadas no Pará (-86,95 mil cabeças), Tocantins (-42,46 mil), Maranhão (-38,23 mil) e Acre (-25,67 mil).

O estado de Mato Grosso liderou o ranking dos abates, tendo sido responsável por 15,6% do total de bovinos abatidos no Brasil, seguido por Mato Grosso do Sul (11,1%) e Goiás (10,3%).

Os abates contabilizados pelo IBGE consideram aqueles sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária.

Abate de suínos bate recorde
O abate de suínos no ano passado aumentou 2% em relação a 2016, para 43,19 milhões de cabeças, um recorde para o setor desde o início da pesquisa do IBGE em 1997.

Houve crescimento da atividade em 12 dos 25 estados acompanhados, principalmente em Santa Catarina (+772,49 mil cabeças), maior produtor de suínos brasileiro e responsável por 26,6% de todos os abates de suínos realizados no ano passado no Brasil.

Outros crescimentos foram verificados no Paraná (+322,56 mil), Mato Grosso do Sul (+128,18 mil), Minas Gerais (+100,06 mil) e Mato Grosso (+75,78 mil).

Quedas nos abates de suínos ocorreram no Rio Grande do Sul (-334,55 mil cabeças), São Paulo (-81,87 mil) e Goiás (-69,77 mil).

Abates de frangos caem após quatro anos de alta
Uma queda de 0,3% marcou a atividade de abates de frangos no Brasil no ano passado, quando foram abatidas 5,84 bilhões de cabeças, após quatro anos consecutivos de alta.

A agroindústria de carne de frango foi afetada negativamente em 2017 pelos embargos temporários por países importadores do produto e reduções de consumo relacionadas à Operação Carne Fraca, da Polícia Federal.

As reduções nos abates de frangos ocorreram em nove das 24 unidades acompanhadas pelo IBGE, incluindo Mato Grosso (-40,23 milhões de cabeças), Minas Gerais (-39,78 milhões), Distrito Federal (-13,72 milhões) e Santa Catarina (-11,07 milhões).

As maiores altas nos abates foram verificadas em São Paulo (+26,05 milhões de cabeças), Goiás (+20,20 milhões), Rio Grande do Sul (+15,42 milhões), Bahia (+9,62 milhões), Paraná (+9,51 milhões) e Mato Grosso do Sul (+6,34 mil).

O maior estado produtor de frangos foi o Paraná, que abateu 31,5% do total nacional, seguido por Santa Catarina (14,7%) e Rio Grande do Sul (14,5%).

Fonte: Carnetec

Veja também

Indukern lança linha de soluções funcionais na primeira edição da Expomeat11/05/17 Tecnologias desenvolvidas para o mercado de carnes e aves serão apresentadas em primeira-mão durante o evento São Paulo, 09 de maio de 2017 - A Indukern participa da primeira edição da Expomeat, que acontece de 09 a 11 de maio de 2017 em São Paulo, um dos principais eventos da indústria de carnes, aves e pescados no país. Durante o evento, a empresa......
JBS vai encerrar abate de aves em Morro Grande (SC) e transferir produção28/08/17 A JBS S.A. decidiu encerrar as atividades de abate de aves em Morro Grande (SC) em 31 de outubro e transferir a produção para outras unidades vizinhas, confirmou a companhia por meio de comunicado enviado à CarneTec na quarta-feira......
Crise de escassez de milho não se repetirá em 201712/01/17Milho suficiente e a preços compatíveis para agroindústrias da carne e para os produtores rurais garante tranquilidade ao agronegócio de SC em 2017 O mercado agrícola catarinense não viverá, neste ano, o drama da escassez acentuada de milho e o encarecimento da produção de carnes que, em 2016, derrubou a rentabilidade das indústrias de processamento de aves e de......

Voltar para Notícias (pt)