Notícias

Postado em 21 de Setembro de 2018 às 05h52

ABCS apresenta pesquisa sobre potencial de consumo de carne suína no país

Nome Categoria (51)
EXPOMEAT 2019 Em boletim enviado à imprensa na quarta-feira (19), a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) divulgou os resultados de pesquisa que considera inédita para a cadeia produtiva...

Em boletim enviado à imprensa na quarta-feira (19), a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) divulgou os resultados de pesquisa que considera inédita para a cadeia produtiva suinícola, realizada pela Kantar Worldpanel com apoio do Sebrae.

O lançamento oficial dos resultados foi feito antes pela associação para a indústria, produtores, governo e varejo, por meio da palestra “Tendências de Consumo no Brasil e Oportunidades para o Mercado de Suínos”, ministrada pela diretora de Desenvolvimento de Negócios da Kantar WorldPanel, Tathiane Frezarin, durante o lançamento da Semana Nacional da Carne Suína (SNCS), no último dia 13 de setembro, em São Paulo (SP).

Números
Segundo a pesquisa, 3 em cada 4 lares no Brasil consomem carne suína. Em números, isso significa que a carne suína chega a mais de 40 milhões de casas, com 75% de penetração na cesta de compras dos consumidores. São mais de 430 milhões de toneladas de carne consumidas ao ano, com um retorno de R$ 5,9 bilhões direto do consumidor.

Para a ABCS, esse retrato revela que a suinocultura está no caminho certo, mas que também há muito o que fazer. "A carne suína tem o melhor potencial em relação a seus produtos concorrentes, as outras proteínas. A penetração do produto suíno chega a 75,8% dos lares contra 97,7% do frango, por exemplo. Isso mostra uma excelente oportunidade para a cadeia produtiva suinícola", apontou o comunicado.

A fim de ampliar esses números e explorar todo o potencial da proteína que já é a mais consumida no mundo, a Semana Nacional da Carne Suína, iniciativa da ABCS, em parceira com o Sistema Sebrae, trabalha com um único objetivo: aumentar a presença da proteína na cesta de consumo do brasileiro.

“A pesquisa apresentada é uma confirmação da validade da nossa causa: a carne suína merece mais reconhecimento, a suinocultura mais visibilidade, assim como toda a cadeia produtiva. E a SNCS é a concretização do nosso esforço e dos nossos parceiros em valorizar a proteína no varejo nacional. Essas ações são financiadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (FNDS), ao qual sempre convocamos todo o setor a participar”, disse no boletim o presidente da ABCS, Marcelo Lopes.

Para o analista da unidade de competitividade do Sebrae Nacional, Gustavo Melo, a importância da pesquisa realizada foi confirmar algumas ideias sobre o grande potencial de consumo da carne suína. “Com a semana, queremos desmistificar preconceitos relacionadas ao seu consumo e nada melhor do que começar pelo varejo brasileiro, focando no seu corpo técnico – açougueiros, nutricionistas, compradores, promotores de venda –, uma vez que eles estão em contato com o consumidor no dia a dia”, disse Melo.

Ainda segundo o representante do Sebrae, com o aumento do consumo, o resultado impacta toda uma cadeia produtiva envolvida. “Ganha o consumidor com uma carne de qualidade, e ganham varejo, frigoríficos, indústria e produtor, uma vez que se aumenta também a comercialização entre os elos.”

Abrangência

Realizada a partir de levantamento feito em 11,3 mil lares, a pesquisa representa um recorte que envolve 90% do potencial de consumo e 82% da população no Brasil. A metodologia de pesquisa incluiu visitas semanais em domicílios brasileiros, entre julho de 2017 e junho de 2018, para coleta de informações a partir de leitura do código de barras e verificação do ticket de compra das famílias.

Outro ponto de destaque da pesquisa foi a frequência anual de compra de carne suína dos consumidores. Em média, os clientes finais compram a proteína 7,5 vezes ao ano, enquanto em relação ao frango o indicador chega a 17. Além disso, a sazonalidade é outra “grande janela”, já que o consumo é menor nos meses de janeiro, fevereiro, setembro, outubro e novembro.

Também foram destacadas oportunidades quanto aos tipos de corte (o lombo, por exemplo, chega a apenas 14,6% dos lares), regionalidades (no Norte e Nordeste, 32% da população não consome carne suína) e faixa etária (mais de 75% dos jovens até 29 anos compram carne suína, menos que a média nacional), entre outras.

A apresentação de Tathiane Frezarin revelou ainda que quase 50% dos brasileiros priorizam a boa qualidade e 21% dos consumidores buscam produtos que facilitem o dia a dia. “Por isso, tenham sortimento adequado, que significa produto certo no canal certo. E, também, comuniquem o valor do seu produto, ou seja, apresentem claramente os benefícios da carne suína aos consumidores brasileiros, que são muitos: sabor, versatilidade e funcionalidade, estimulando, assim, maior frequência de compra desta proteína e que ela esteja mais presente nas refeições diárias”, finalizou a palestrante.

Fonte: ABCS, com informações da Dados Comunicação

Veja também

Esclarecimentos sobre tarifa antidumping China19/02 O Ministério do Comércio da China (MOFCOM) anunciou a conclusão do acordo com as agroindústrias brasileiras de carne de frango, em relação à investigação de práticas de dumping, iniciada em agosto de 2017. É importante esclarecer que, embora o governo chinês tenha divulgado a imposição de tarifas de direito......
Qualidade da carne demanda cuidados de ponta a ponta da cadeia09/03/18 Autora: Elaine Bedeschi é gerente de Qualidade da Divisão Beef da Marfrig Global Foods "A produção de carne de qualidade envolve diversas etapas. Na Divisão Beef da Marfrig Global Foods, os cuidados acontecem desde......
Frigol eleva vendas para a Rússia em 15% em 201607/02/17 A Frigol registrou um aumento de 15% nas vendas para a Rússia em 2016, na comparação com 2015, informou a empresa em comunicado na segunda-feira (6). “Foi um ano difícil para todos os setores, não apenas para o......

Voltar para Notícias (pt)