Notícias

Postado em 06 de Novembro de 2017 às 17h13

China deve habilitar mais 22 plantas brasileiras para exportação de carnes

Notícias do Setor (206)
Expomeat 2017 Vinte e duas plantas frigoríficas brasileiras deverão receber autorização para exportar carnes para a China, informou o ministro da Agricultura Blairo Maggi na quarta-feira (01). Entre essas plantas, 11...

Vinte e duas plantas frigoríficas brasileiras deverão receber autorização para exportar carnes para a China, informou o ministro da Agricultura Blairo Maggi na quarta-feira (01). Entre essas plantas, 11 são produtoras de carnes de aves e outras 11 de carne bovina, segundo a Associação Brasileira de Proteínal Animal (ABPA).

“Agora, só falta a visita técnica no Brasil”, disse o ministro por meio de sua conta no Facebook.

Segundo ele, cada uma das 22 plantas frigoríficas tem potencial de gerar US$ 50 milhões por ano em negócios. “Temos mais 36 plantas que poderão ser credenciadas numa segunda rodada após ajustes de documentos.”

As plantas de carnes de aves pertencem às empresas BRF, Zanchetta Alimentos, GT Foods, Aurora Alimentos, Nutriza Alimentos, Vibra Agroindustrial, Coasul, Mais Frango e Palmali Alimentos. Elas estão localizadas nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso, segundo a ABPA.

“Ainda existem etapas a serem cumpridas para a consolidação dos embarques. As habilitações podem render até 10 mil toneladas anuais a mais por cada planta efetivada”, disse o presidente da ABPA, Francisco Turra, em nota.

O Mapa não forneceu detalhes sobre as plantas de carne bovina para as quais espera habilitação até o final da quarta-feira.

O Brasil já exporta carnes à China, mas a ampliação do número de plantas habilitadas era aguardada desde o início de setembro, após viagem do ministro da Agricultura Blairo Maggi ao país asiático.

Fonte: Carnetec

Veja também

Os diversos mercados consumidores para a carne bovina brasileira06/11/17 A grande preocupação da cadeia produtiva da carne bovina brasileira nos últimos tempos está diretamente ligada aos custos. Com margens cada vez mais apertadas, é normal que o setor se preocupe em reduzir os gastos. Isso é fato. Mas antes de pensarmos em custos, precisamos analisar o mercado que estamos buscando atingir. Em muitos casos, precisamos investir mais para......

Voltar para Notícias (pt)