Notícias

Postado em 01 de Abril às 14h24

Frigol adota inteligência artificial no abate de unidade no Pará

EXPOMEAT 2019 A unidade da Frigol em Água Azul do Norte é o "primeiro frigorífico do Pará a utilizar inteligência artificial para classificação das carcaças bovinas e tecnologia...

A unidade da Frigol em Água Azul do Norte é o "primeiro frigorífico do Pará a utilizar inteligência artificial para classificação das carcaças bovinas e tecnologia blockchain para a rastreabilidade completa dos bovinos abatidos", informou a empresa na quarta-feira (25).

Com isso, tanto a classificação das carcaças quanto o processo de rastreabilidade em Água Azul do Norte tornam-se, segundo a Frigol, os mais avançados do mundo, pois são realizados com total segurança e transparência. “A tecnologia está aí para ajudar os pecuaristas e a indústria em um ambiente de total confiabilidade, com informações completas sobre a origem e as características da carne para os consumidores”, disse o diretor de operações da Frigol, Orlando Negrão, em nota.

Com o uso da inteligência artificial e da tecnologia blockchain, os pecuaristas acompanham os abates em tempo real e com imagens, via aplicativo Trace Beef instalado no smartphone, reforçando a confiança nos dados coletados. Essa tecnologia vai até o consumidor final, que também pode avaliar os cortes nos supermercados.

Todo o processo dentro da indústria frigorífica é gerenciado por uma plataforma criada pela empresa EcoTrace, que usa módulos de internet das coisas (IoT), câmeras, sensores, balanças e leitores, instalados em várias áreas da indústria. “Essas tecnologias trabalham em conjunto para oferecer total garantia: da pesagem à desossa”, disse o CEO da EcoTrace, Flavio Redi, na mesma nota.

Pelo sistema, já instalado na unidade da Frigol em Lençóis Paulista (SP) e, agora, na planta paraense, uma das novidades é a instalação de uma balança após o atordoamento, no início da linha, quando as carcaças são pesadas com precisão.

Na sequência, leitores de códigos de barras e câmeras fotografam as carcaças várias vezes durante o processo.

Um supercomputador classifica acabamento das carcaças utilizando algoritmos de inteligência artificial com extrema precisão.

Assim que finaliza o abate, os dados do romaneio ficam disponíveis para o produtor, bem com a foto de todas as carcaças.

Todas essas informações são armazenadas na arquitetura blockchain e ficam acessíveis para a indústria e para os pecuaristas.

“A tecnologia 4.0 oferece muitas vantagens, inclusive orientação aos pecuaristas para eventuais iniciativas de bem-estar, conforto e transporte dos animais até o frigorífico. A indústria também recebe dados que ajudam a fazer melhorias nos seus processos”, explicou Orlando Negrão.

“Na ponta, os consumidores podem escolher os cortes com tranquilidade pois têm acesso à rastreabilidade completa dos alimentos, proporcionando transparência, segurança e garantia de origem”, finalizou o executivo da Frigol.

Fonte: Carnetec

Veja também

Marfrig planeja duas novas linhas de produção de hambúrgueres em Várzea Grande em setembro18/08 A Marfrig, maior produtora de hambúrgueres do mundo, pretende colocar em funcionamento duas novas linhas de produção de hambúrgueres em seu complexo de produção de Várzea Grande (MT) em setembro, disse executivo da empresa em teleconferência com analistas na semana passada. “Nós temos planos, em 2020 e 2021, de seguir investindo capex......
LINCO vai expor seus principais produtos na feira EXPOMEAT24/03/17 Na indústria transformadora de alimentos de hoje a missão da Baader é fornecer as melhores soluções para produzir alimentos seguros em todo o mundo. Nosso objetico é reduzir o trabalho eliminando tarefas manuais......

Voltar para Notícias (pt)