Notícias

Postado em 31 de Janeiro às 10h25

Rabobank espera alta de 20% na exportação de carne suína do Brasil pra China em 2018

Notícias do Setor (189)
Expomeat 2017 As vendas de carne suína brasileira para a China podem crescer 20% em 2018, diante do aumento da oferta e competitividade do produto brasileiro, estimam analistas do Rabobank em relatório divulgado na...

As vendas de carne suína brasileira para a China podem crescer 20% em 2018, diante do aumento da oferta e competitividade do produto brasileiro, estimam analistas do Rabobank em relatório divulgado na terça-feira (30).

As importações totais de carne suína pela China tendem a aumentar cerca de 6% em 2018, após queda significativa em 2017, quando o país asiático tinha elevados estoques de carnes congeladas e os preços internacionais da carne suína estavam altos, segundo o Rabobank.

“Acredita-se que os estoques de carne de porco da China tenham diminuído ao longo do ano passado; os preços nos países exportadores devem cair ainda mais em 2018, já que a oferta está expandindo”, escreveram analistas do Rabobank.

A implementação da nova política ambiental chinesa, que já resultou no desmantelamento de fazendas de produção de suínos nas regiões leste e sul do país, também tende a resultar em fortes exportações de carne suína diretamente para estas áreas, segundo os analistas.

O Brasil exportou quase 50 mil toneladas de carne suína para a China em 2017, queda de 40% em volume, na comparação com o ano anterior, segundo dados compilados pelo Rabobank.

A estimativa de crescimento da demanda chinesa em 2018 pelo Rabobank, caso se confirme, seria um alento para a agroindústria de carne suína brasileira, que atualmente está impedida de exportar para a Rússia, mercado que foi responsável por cerca de 40% de todo o volume do produto exportado pelo Brasil no ano passado.

Fonte: Carnetec

Veja também

Alegra fatura R$ 512,4 milhões em 201706/03 A Alegra, marca de carne suína administrada pelas cooperativas Frísia, Castrolanda e Capam, teve um faturamento de R$ 512,4 milhões em 2017, aumento de 38% ante 2016, segundo informações divulgadas pela Frísia. A unidade industrial de carnes que produz as carnes da marca Alegra, localizada em Castro (PR), gerou resultado líquido negativo no ano passado, mas houve......
Abate de vacas aumenta e pode atingir pico em fevereiro16/02/17 O abate de vacas aumentou em fevereiro como consequência dos preços mais competitivos e maior oferta de fêmeas em relação aos machos, informou o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), que prevê......

Voltar para Notícias (pt)