EXPOMEAT
de 15 a 17 de Março de 2022

Das 14h às 20h
Pavilhão de Exposições Anhembi

Notícias

Postado em 14 de Julho de 2021 às 14h39

Até 2030 importação mundial de carne de frango aumenta perto de 2% ao ano e aproxima-se dos 16 mi/t

Notícias do Setor (669)
EXPOMEAT 2022 - lll Feira Internacional da Indústria de Processamento de Proteína Animal e Vegetal Seguindo o critério adotado pelo novo Relatório OCDE/FAO (separação por continente), a tabela abaixo relaciona os...

Seguindo o critério adotado pelo novo Relatório OCDE/FAO (separação por continente), a tabela abaixo relaciona os países que, ao final da presente década (2030), devem estar colocados como os principais importadores mundiais de carne de frango.
México, Japão e União Europeia, pela ordem, serão os três maiores importadores. Ou seja: a tendência é a de que a China caia para a quarta posição, com um volume pouco superior ao das Filipinas e do Reino Unido.
Mas o que chama a atenção é o fato de os três principais importadores da carne de frango brasileira na atualidade – China, Arábia Saudita e Japão – sinalizarem volume menor de importações em 2030.
Note-se, de toda forma, que a redução de volume apontada para esses três países (cerca de 360 mil toneladas a menos) tende a ser compensada pelas Filipinas (416 mil toneladas a mais) que, no momento, coloca-se como o sexto maior importador de carne de frango do Brasil.
Vale destacar, também, que os maiores índices de redução nos volumes importados recaem sobre Ucrânia (queda de 26%) e Rússia (50% a menos). Pois esses dois países integram o bloco dos 10 principais exportadores mundiais de carne de frango.
Pelas projeções divulgadas, as importações de carne de frango da corrente década tendem a aumentar a uma média próxima (mas inferior) de 2%, chegando aos 15,8 milhões de toneladas, volume quase 20% superior à média estimada para o triênio final da década passada (2018/2020). 

Fonte: AviSite

Veja também

BRF quer liderar mercado de pratos prontos, aumentar presença internacional15/12/20 A BRF anunciou na terça-feira (08) um plano de crescimento que visa elevar a receita líquida para R$ 100 bilhões em 2030, com aumento da participação no mercado de pratos prontos (ready meals), de produtos de valor agregado e da presença local em mercados no exterior. “Vamos continuar oferecendo alimentos cada vez mais práticos, convenientes e com......

Voltar para Notícias (pt)