EXPOMEAT
É ADIADA PARA 2022

Em breve divulgaremos a nova data que está sendo negociada junto ao Pavilhão de Exposições Anhembi

Notícias

Postado em 20 de Maio de 2020 às 14h38

Brasil deve assumir protagonismo na pecuária

Notícias do Setor (650)
EXPOMEAT 2022 - lll Feira Internacional da Indústria de Processamento de Proteína Animal e Vegetal A pecuária de corte brasileira tem demostrado um contínuo avanço nas últimas décadas, fazendo com que as...

A pecuária de corte brasileira tem demostrado um contínuo avanço nas últimas décadas, fazendo com que as expectativas para setor sejam sempre envoltas pelo positivismo. Pensamento esse, que de acordo com o presidente da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), Nabih Amin El Aouar, fará do Brasil o maior produtor mundial do setor em cinco anos.

Já somos os maiores exportadores de carne bovina desde 2004, temos o maior rebanho comercial e, se o cenário se mantiver, até 2025 seremos também os maiores produtores de carne do mundo”, afirmou o dirigente.

Na curva de ascensão, o Brasil assumiu a liderança das exportações de carne bovina em 2004, atingindo 1,17 milhão de toneladas, contra 1,16 milhão/t dos Estados Unidos. “Em 2019, exportamos 1,9 milhão de toneladas, com faturamento de US$ 7,7 bilhões. Os EUA venderam 1,43 milhão/t e a Austrália cerca de 1,3 milhão/t. A liderança é consolidada”, contou o presidente à Texto Comunicação..

Contudo, de acordo com o El Aouar, o maior gargalo da pecuária de corte brasileira, hoje, é a falta de padronização das carcaças, que ocorre pela falta de conhecimento de muitos produtores. No entanto, quando superado este desafio, “não haverá limites para a carne bovina brasileira”.

Para o dirigente, essa perspectiva de crescimento ocorrerá de forma vertical e sustentável, reforçando para o mundo que o pecuarista brasileiro produz alimentos com responsabilidade.

Sobre o desempenho do setor e de todo o País no pós-pandemia, o presidente se mostrou otimista. “Após um 2019 com resultados fantásticos para a pecuária de corte, a expectativa ficou ainda maior para este ano. Por enquanto, o setor tem reagido bem à crise, com bons números de exportação. A incógnita é o consumo interno. Mesmo que tenhamos um cenário negativo a curto prazo, estou otimista que em, no médio prazo, voltaremos ao ritmo normal de desempenho, já que o brasileiro é apaixonado por carne”, finalizou.

Fonte: Texto Comunicação, adaptado pela equipe feed&food

Veja também

Brasil tem mais seis estados reconhecidos como áreas livres de febre aftosa sem vacinação01/06 Os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e do Mato Grosso agora são reconhecidos internacionalmente como zonas livres de febre aftosa sem vacinação. Ao todo, são mais de 40 milhões de cabeças que deixam de ser vacinadas, o que corresponde a cerca de 20% do rebanho bovino brasileiro, e 60 milhões de doses anuais da......
Bahia Rendering trabalha por um Mundo em Equilíbrio05/10/20 O planeta é formado pela união de diversos equilíbrios. Tudo tem seu lugar e seu destino. A Bahia Rendering, localizada no município de Teodoro Sampaio-BA, preza pela sustentabilidade e trabalha com a mais alta tecnologia para que......

Voltar para Notícias (pt)