EXPOMEAT
É ADIADA PARA 2022

Em breve divulgaremos a nova data que está sendo negociada junto ao Pavilhão de Exposições Anhembi

Notícias

Postado em 07 de Julho às 15h13

Nova cota do México para importação de carne de frango deve beneficiar o Brasil

Notícias do Setor (642)
EXPOMEAT 2021 - lll Feira Internacional da Indústria de Processamento de Proteína Animal e Vegetal Os exportadores brasileiros devem ser beneficiados pela abertura de uma nova cota de 30 mil toneladas para importação de carne de...

Os exportadores brasileiros devem ser beneficiados pela abertura de uma nova cota de 30 mil toneladas para importação de carne de frango de nações exportadoras extra-USMCA (acordo de livre comércio dos países da América do Norte), publicada pela Secretaria de Economia do Governo do México.

A publicação é de 23 de junho, e aponta questões de aumento de preços internos da carne de frango para a definição desta nova cota para a importação de volume de nações produtoras, como é o caso do Brasil.

A cota (com isenção de tarifas de importação) é válida para diversos cortes com ossos e desossados de carne de frango (como peito, coxa e sobrecoxa, asas e outros).

Atualmente, mesmo com a aplicação de tarifas de 75%, o mercado mexicano é um importante destino do produto brasileiro, dado as condições específicas de mercado no México neste ano de 2021. De acordo com levantamentos da ABPA, entre janeiro e maio, o país importou 38,3 mil toneladas – volume expressivamente maior que o efetivado no mesmo período de 2020, quando foram embarcadas 2,3 mil toneladas.

“Há quase uma década temos construído uma forte parceria com o México, apoiando especialmente em momentos em que a oferta local enfrenta problemas para o abastecimento interno. Esta é uma parceria que tem dado certo, e que agora deve ganhar novo impulso, influenciando o saldo positivo das exportações brasileiras”, avalia o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Fonte: ABPA

Veja também

Suínos: mercado registra leves altas para o animal vivo28/09/20 Os preços do suíno vivo voltaram a ter leves valorizações para o animal vivo. De acordo com análise do Cepea/Esalq, a forte valorização do animal vivo no mercado independente se deve à oferta reduzida de animais para abate e às aquecidas exportações da proteína nos últimos meses. Em São Paulo, segundo a Scot......

Voltar para Notícias (pt)